Translate

sexta-feira, 10 de junho de 2016























Eu vou morrer
É o fim.
Já estou vomitando
O meu fígado
A morte tão esperada
Aparece como uma convidada
Que veio antes da hora
Sinto medo ao saber
Que tenho que atravessar a porta
Tenho fobia do desconhecido
Mas mesmo com os pés sangrando
Como Gregório Bezerra,
Eu vou

Carlos Maia
10/06/16














Com o pouco
Que nos cabe
Podemos voar.

Carlos Maia
10/06/16











Por entre os estranhos caminhos
Que passeiam
Em nossas mentes nebulosas
Voam pássaros astrais
Gilletes afiadas
Pântanos fosforescentes
Em busca da dama louca
Com sapatos de cristal
E foi assim
Que eu vim parar na capital.

Carlos Maia
09/06/16


















Meu?
Meu eu não tenho nada,
Nem o meu próprio corpo
Que os vermes
Um dia irão comer na terra,
E virarei pó,
E alimentarei
Uma árvore de manga rosa.

Carlos Maia
08/06/16


quarta-feira, 8 de junho de 2016

MENSAGEM DO DIA



Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Efésios 6:12

segunda-feira, 6 de junho de 2016
















NÃO SE MATE

Carlos, sossegue, o amor
é isso que você está vendo:
hoje beija, amanhã não beija,
depois de amanhã é domingo
e segunda-feira ninguém sabe
o que será.

Inútil você resistir
ou mesmo suicidar-se.
Não se mate, oh não se mate,
reserve-se todo para
as bodas que ninguém sabe
quando virão,
se é que virão.

O amor, Carlos, você telúrico,
a noite passou em você,
e os recalques se sublimando,
lá dentro um barulho inefável,
rezas,
vitrolas,
santos que se persignam,
anúncios do melhor sabão,
barulho que ninguém sabe
de quê, praquê.

Entretanto você caminha
melancólico e vertical.
Você é a palmeira, você é o grito
que ninguém ouviu no teatro
e as luzes todas se apagam.
O amor no escuro, não, no claro,
é sempre triste, meu filho, Carlos,
mas não diga nada a ninguém,
ninguém sabe nem saberá.

Carlos Drummond de Andrade

sábado, 4 de junho de 2016

















COMO A PENA DE UM GENIAL, INSANO E DESESPERADO
ESCRITOR




BELCHIOR - ALUCINAÇÃO (1976)



















GRANDE LUIZ!!!

                        O PRAZER SERÁ NOSSO!!!! (Não digo que será só meu, porque tenho absoluta certeza que assim como clamaram os profetas e foram silenciados momentaneamente por Satanás, mas as suas palavras ecoam eternamente, assim também a Verdade jamais poderá ser silenciada, apesar dos tempos terríveis em que estamos todos vivendo!).

                        Luiz, esta é também a minha carta de despedida. Eu não suporto mais ver os meus entes queridos sofrerem por minha causa. Como se não bastasse o sofrimento que a minha doença (dependência química) já provoca, Deus achou por bem ainda acrescentar o transtorno bipolar!

                      Como eu sou um verme e um filho da puta de um covarde e não tenho a coragem de me suicidar eu escolhi (SIM, COM TODAS AS LETRAS: ESCOLHI!!!!) morrer lentamente e com incomparávelPRAZER!!!!

                      Eu tenho PLENA consciência das consequências dolorosas que esta minha escolha acarretará em todas as pessoas que me amam, mas infelizmente euNÃO SUPORTO MAIS A DOOOOOORRR!!!!

                      GOSTARIA IMENSAMENTE QUE O MEU CORPO SEJA CREMADO E QUE AS CINZAS SEJAM JOGADAS PARTE NO RIO DA GRANJA QUE UM DIA PERTENCEU AO MEU QUERIDO, AMANTÍSSIMO PAI!!! E A OUTRA PARTE SEJA JOGADA NO RIO GANJES, NA ÍNDIA!!!

               NÃO POSSO DIZER QUE AMO VOCÊS, POIS NEM A MIM MESMO EU AMO!

               AS SEMENTES FORAM LANÇADAS!!!

                              ADEUS!

                              CARLOS MAIA.























Rompendo a semente de um sonho
Já por todo o nascer é um túmulo,
Vazio que encerra o destino
E o desejo, marca o exercício
E o repouso. Trivial vazio. 


Joaquim C.

Simon & Garfunkel Sound Of Silence Legendado